Brasil é o quarto país em empreendimentos sustentáveis

A empresa ou pessoa que desenvolver, comprar ou se instalar em um imóvel sustentável terá uma redução de até 30% no consumo de energia, de até 40% no consumo de água, terá um ambiente com baixo risco de propagação de doenças respiratórias, um imóvel com valor de revenda de 10% a 20% maior e ainda vai estar contribuindo para o meio ambiente. É devido a estas vantagens que o mercado de empreendimentos verdes vem crescendo com números exponenciais no Brasil. Já somos o quarto País no ranking de empreendimentos verdes certificados ficando atrás apenas dos EUA, China e Emirados Árabes.

A certificação de um empreendimento verde garante e atesta que o imóvel é realmente sustentável e que, portanto, o investidor, o comprador e o usuário terão todos aqueles benefícios resultantes de um projeto e uma construção sustentáveis. Para certificar um empreendimento é necessário atender a diversos critérios e alcançar alguns indicadores de desempenho nas seguintes áreas: energia, água, materiais, resíduos, qualidade do ar, saúde, conforto e entorno do empreendimento. São dois os principais selos de certificação existentes no mercado brasileiro, o LEED e o AQUA (Alta Qualidade Ambiental).Em 2011, tivemos 477 empreendimentos em processo de certificação LEED e AQUA, um aumento de 190% em relação ao ano anterior.

A expectativa de crescimento para 2012 é ainda maior. O mercado da construção sustentável representa cerca de 1% do mercado de construção no Brasil, enquanto que em países onde esse assunto já é maduro, a relação é de mais de 10%, ou seja, ainda temos muito que crescer. E grande parte deste crescimento, nos próximos anos, será alavancada pela Copa 2014 e Olimpíadas 2016 na cidade do Rio de Janeiro. Afinal, eventos desse porte precisam pensar no impacto que podem causar ao meio ambiente. O casamento não poderia ser melhor: a nobreza do esporte, que tem forte caráter educativo, com a adoção de atitudes e padrões que fortalecem o legado para as próximas gerações. O país ganha muito: construções verdes e comportamentos que, aos poucos, estão se tornando cada vez mais frequentes, como a valorização à reciclagem, aos empreendimentos e produtos sustentáveis. Além disso, a marca Brasil se associa a algo extremamente positivo, fortalecendo a sua imagem no exterior.

Para viabilizar e fomentar toda essa revolução na construção civil, linhas de financiamento especiais foram desenvolvidas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para incentivar a construção de arenas e para a construção, reforma, ampliação e modernização de hotéis para a Copa 2014. A condição, dentre outras, é que os empreendimentos obtenham certificações de sustentabilidade e/ou de eficiência energética. O comprometimento da cidade do Rio de Janeiro para a Olimpíada 2016 exige que todas as novas construções obtenham a certificação LEED. Isso envolve Vila Olímpica, Centro de Treinamento, Porto Maravilha, entre outros. Na pauta do plano de ação proposto para o Rio 2016 estão temas que abrangem várias esferas do evento com gestão e tratamento da água; educação e conscientização ambiental; reservas e conservação de energia, uso e gestão de energia renovável; qualidade do ar e transporte; proteção do ecossistema e do solo; reflorestamento,biodiversidade e proteção do meio ambiente e do legado cultural.

Dentro dos compromissos assumidos, vale destacar o que envolve a construção e design de instalações verdes, bem como a poluição sonora e de construção. Os jogos cuja proposta é a de serem neutros em carbono também prometem: implementação de diretivas e certificações LEED estritas em 100% das novas construções com um consumo reduzido de matéria-prima e uso de recursos naturais renováveis; critério da distância mínima para o transporte de materiais e a reutilização do lixo de demolição incluindo materiais temporários úteis; introdução de várias zonas verdes e de pequenos lagos artificiais no desenho das instalações; conformidade total com as leis e regulamentos nacionais no controle ambiental e construções silenciosas e corredores de transporte serão construídos com barreiras acústicas através do plantio urbano de árvores e de desenhos paisagistas. As instituições governamentais, o Green Building Council (GBC) do Brasil e o Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS) desenvolvem um trabalho importante para a melhoria da qualidade da construção.

Com apoio destes órgãos e orientação e acompanhamento de empresas especializadas em soluções para empreendimentos sustentáveis,o governo vem implementando critérios de sustentabilidade durante as etapas de conceito, planejamento, construção, operação e manutenção de todas as construções do legado da Copa e Olimpíadas. Éa primeira vez no Brasil em que bairros inteiros de tamanha importância urbanística e econômica para o País são planejados de maneira a incorporar soluções e requisitos de sustentabilidade desde a sua concepção. Exigir que os empreendedores atendam a determinados parâmetros e selos ambientais é o governo apontando que caminh devemos seguir para o futuro de nossas cidades.

João Marcello Gomes Pinto- Sócio-diretor da Sustentech

Jornal do Commercio

 

 

 

Serviços

servicos0

Assine

Cadastre-se no nosso site e receba nossos resumos de notícias: Fácil e Rápido.